Pesquisa de Projetos: Planeje a TI da sua empresa para 2017

O ano de 2017 está chegando e é muito importante realizar o planejamento da sua empresa para o novo ano, visando o crescimento e desenvolvimento. Quanto a área de TI nós podemos te ajudar!

 

 

Realizamos nos últimos dias uma Pesquisa de Projetos com diversos clientes da Blue Solutions, com o objetivo de auxiliar em alguns pontos que os clientes devem pensar ao planejar as novas ações para a área de TI.

Segue abaixo os pontos a serem observados pelas empresas:

  • A empresa tem previsão de crescimento não orgânico, como abertura de filiais ou aquisição de outras empresas, que terão impacto no ambiente de TI?
  • Pretende implantar algum sistema de BI ou de Indicadores (KPIs)?
  • Pretende contratar soluções em Nuvem para substituir a infraestrutura existente ou criar nova (IaaS)?
  • Tem planejamento de reestruturação no data center, virtualização do ambiente ou troca de hardware, sejam servidores, storages, backup ou outros?
  • Tem planejamento de executar projetos de Rede, Telefonia IP ou CFTV?
  • Pretende atualizar a versão de algum software instalado, por exemplo, versão do VMware, do Windows Server, do SQL Server ou do Oracle?
  • Precisa testar alguma alternativa para os software atualmente utilizados, por exemplo, backup, virtualização ou banco de dados?
  • Tem problemas de performance, backup ou outras questões para solucionar?

Confira alguns resultados da pesquisa:

 

 

Com os resultados dessa pesquisa também foi possível notar que muitas empresas necessitam de políticas e serviços relacionados à backup.

Esperamos que esses pontos auxiliem no planejamento de TI da sua empresa para o próximo ano.
Se tiver dúvidas ou se precisar de ajuda e mais informações, entre em contato:

Read More

Blue Solutions apresentará solução de monitoramento do ambiente corporativo em tempo real no IT Forum Expo

Ao longo do IT Fórum Expo, as empresas poderão conhecer serviços para gerenciar, sustentar e potencializar suas decisões 
A Blue Solutions, empresa especializada em soluções de TI, apresenta seu novo sistema de Gerenciamento de Indicadores de Negócios em Tempo Real (Business Monitor), que visa permitir aos usuários e gestores ter uma visão sobre o que está acontecendo na empresa por meio de Indicadores de Performance (KPIs). A solução será apresentada durante o IT Forum Expo, que acontece no WTC Golden Hall, em São Paulo, nos dias 08 e 09 de novembro.


Participe do IT Forum Expo – Inscrição Gratuita

No decorrer do evento, a empresa espera criar relacionamentos para potencializar a venda de soluções em Analytics. Além da nova solução, a Blue Solutions apresenta os seus Serviços Gerenciados, focados em soluções de monitoramento (NOC) e sustentação de ambiente de data center corporativo, e em venda de soluções de TI, incluindo hardware, software e serviço de implementação e migração dos ambientes.

“Este é o nosso primeiro ano no evento, mas temos grandes expectativas em gerar novos negócios com a indústria em geral e reencontrar os clientes que conquistamos no IT Forum+. Nós amadurecemos diversas soluções e times de trabalho para levarmos ao mercado uma gama de ofertas mais consistente e de melhor valor agregado para os clientes. Com essas ações combinadas à melhoria geral do cenário brasileiro, estaremos mantendo a qualidade e os níveis de crescimento dos nossos produtos”, afirma Edgar Monteiro, Diretor Executivo da Blue Solutions.

De uma forma geral, a Blue Solutions atende o mercado corporativo de médias e grandes empresas, mas também trabalha com uma vertical específica para o segmento de saúde, no qual se concentra cerca de 50% da sua carteira de clientes, focando, principalmente, em serviços gerenciados para sustentação de data center corporativo e gerenciamento de indicadores.

 

Sobre o IT Fórum Expo
O IT Forum Expo 2016, principal evento B2B de TI que ocorre durante a SP TechWeek, acontece nos dias 08 e 09 de novembro e reúne os principais executivos de TI do Brasil. Este ano, o evento trará debates sobre o uso e o futuro das tecnologias nas empresas, centrado em Coisas, Transformação e Gente. O objetivo da agenda é instigar o setor a entender, discutir e se preparar para todas as mudanças que acontecem e acontecerão em TI e por causa da TI.

 

Informações:
IT Forum Expo 2016 – O Palco do Setor de TI
Dias: 08 e 09 de novembro de 2016
Horário: 09h00 às 21h30
Local: WTC Hall
Avenida das Nações Unidas, 12551 – Brooklin Novo – São Paulo/SP

 

O que esperar?

* 4.000 visitantes
* 400 congressistas
* 200 CIOs
* 60 patrocinadores
* CEOs Indústria de TI
* Feira de negócios
* Networking qualificado
* Premiação 100+ Inovadoras
* Premiação GPTW TI

 

A inscrição para a área de exposições do IT Forum Expo é gratuita!

 
 
Autor: Douglas Cruz, agência AboutCOM.
Colaboração: Edgar Monteiro, Diretor Executivo da Blue Solutions.
Read More

A Importância do Monitoramento no Ambiente de TI

A cada dia o ambiente de tecnologia da informação vem sendo mais importante, pois cada vez mais a TI está relacionada diretamente com os negócios das empresas.

Profissionais de TI são cada vez mais cobrados para garantirem a alta disponibilidade de ambientes sem qualquer “downtime” nos serviços críticos e de negócios da empresa. O problema é que esse processo de garantir que não ocorra qualquer problema no ambiente não é uma tarefa fácil quando não se utiliza uma ferramenta de monitoramento para o mesmo.

Fonte: Profissionais TI

Quando falamos de um ambiente de TI, o “downtime” pode ser ocasionado desde um problema de aquecimento nos servidores a um problema numa porta de switch. Realizar uma avaliação manual item a item para descobrir a causa raiz de um problema pode ser bastante trabalhoso e até mesmo consumir diversas horas de trabalho visto que, quanto maior o ambiente, maior a demanda de gerenciamento.

De acordo com uma pesquisa realizada pela consultoria norte-americana Forrester, com 157 profissionais de TI, o custo de uma hora de inatividade (downtime) em uma organização pode variar entre 10 e 1 milhão de dólares.

O estudo também apontou muitas informações relevantes, tais como:

34% dos entrevistados passam por problemas de indisponibilidade todos os dias;
42% levam entre uma hora e uma semana para identificar a raiz de um problema nos serviços de TI;
60% deles costumam envolver entre quatro e dez funcionários na solução do problema.
Observem que, além de termos a indisponibilidade dos serviços, ainda temos os recursos de colaboradores utilizados de forma inadequada, visto que poderiam estar em projetos com foco no negócio, agindo proativamente e não “apagando incêndios”.

Mas, quando falamos na importância do monitoramento, não limitamos apenas a agir proativamente não deixando que ocorra um “downtime” nos serviços. Falamos também de monitoramento de recursos indiretos que poucas vezes os responsáveis pelo ambiente de TI observam. Um exemplo claro seria de uma empresa que contrata duas operadoras para garantir que nunca fique sem acesso à internet (redundância de link), mas que, após implantar um monitoramento no ambiente de TI, percebe que o segundo link fica com frequência indisponível, ou seja, a empresa paga por ambos os links e o secundário fica off-line direto. Neste caso, se o primeiro link ficar indisponível, o segundo poderia também estar, podendo assim afetar os usuários e os negócios.

Além deste cenário citado acima, o monitoramento também é muito importante para realização de investimentos corretos no ambiente de TI, pois a equipe consegue enxergar tendências do seu ambiente. A grande maioria das empresas possuem um TCO (Total Cost of Ownership), ou seja, tem uma estimativa financeira projetada para investimento no departamento de TI. Quando falamos principalmente de médios e grandes ambientes, onde o valor de TCO e de demanda são muito altos, qualquer falha pode ocasionar problemas irreparáveis.

Se o ambiente possui um monitoramento, os responsáveis pela TI conseguem obter dados suficientes para projetarem uma tendência de demanda, ou seja, é possível prever que em 3, 4, 5 meses a demanda por recursos (memória, cpu, network, discos, etc.) poderá ser maior, garantindo que o orçamento seja aplicado no que realmente é necessário.

O monitoramento de ambientes de TI possui diversos benefícios e a cada dia vem ganhando mais espaço. Devido a isso que empresas de portes variados estão investindo na criação do seus ambientes de monitoramento, denominado NOC, seja este interno ou com terceiros.

NOC é a definição de Network Operations Center ou Centro de Operações de Rede, local onde se centraliza a gerência do ambiente utilizando ferramentas de monitoramento conhecidas como Network Management System (NMS).

O NOC garante:

  • Colaboradores agindo proativamente;
  • Total disponibilidade dos serviços;
  • Projeção e avaliação de tendências;
  • Análise do Service Legal Agreement (SLA);
  • Relatórios do ambiente.

Aproveite e acompanhe a evolução do seu negócio online, com o Business Monitor. Você pode controlar diversos indicadores de TI e de outras áreas que irão fazer a diferença na sua gestão.

Fonte: Profissionais de TI, matéria escrita por Jorge Pretel.

 

Site NOC Blue Solutions

Acesse a página de NOC-Monitoramento da Blue Solutions, para saber mais sobre as vantagens de ter o NOC na sua empresa, ver os preços e sanar dúvidas: clique aqui  »

 

 

Leia Mais sobre NOC:

Hospital e Maternidade Dr. Christóvão da Gama tem servidores monitorados 24 horas

NOC Blue Solutions monitora servidores da Galzerano

O que é NOC? Que vantagens eu tenho ao implantar em minha empresa?

Blue Solutions reestrutura e amplia setor técnico e NOC

Read More

Era Uma Vez um Gerente de Redes…

Vou contar uma pequena história para ilustrar a importância de gerenciar corretamente a rede de dados de uma empresa, ou outro tipo de organização.

A história do Paulo.

Ele tinha acabado de ser contratado como gerente de redes da XPTO, uma empresa muito importante…

O Paulo não teve muita sorte, porque logo nos primeiros dias houve uma série de problemas.

Em um dos dias, o acesso à Internet estava lento. Dava até pra fechar os olhos e imaginar ao longe aquele barulhinho que os modems faziam quando a conexão era discada.

No outro dia, foi o site da empresa que ficou fora. Por horas! No dia seguinte, todo sistema de telefonia VoIP parou.

Quando a Internet ficou lenta, o Paulo deu uma olhada no roteador e percebeu que estava usando cerca de 80% da conexão contratada. Bastante, mas não o suficiente para ser a causa do problema… Ou seria?

Ele pediu à sua equipe para ver os gráficos históricos de utilização. Mas esses não existiam! Como saber se 80% era normal ou não? No final das contas era só um dos cabos ligados ao switch.

Quando houve o problema com o servidor do sítio web, os logs indicaram um possível ataque de negação de serviço.

Mas, adivinhe! Esse ataque havia começado 2h horas antes e não teve relação com o problema, mas os relógios dos servidores estavam errados e só depois de quase um dia de trabalho percebeu-se que o problema era realmente um bug na aplicação.

Quando o sistema de telefonia parou, não havia sequer documentação sobre como ele estava conectado à rede e Paulo ganhou alguns novos cabelos brancos naquele dia…

Paulo começou a duvidar da “falta de sorte” e a entender porque a XPTO realmente havia contratado um gerente de redes novo.

Começou a imaginar se tinha negociado um salário compatível com o tamanho do problema… Havia muito a ser feito.

Como a fada madrinha dos gerentes de redes não apareceu para transformar clipes e parafusos em novos servidores e roteadores, nem os peixinhos do aquário por mágica viraram técnicos com certificação ITIL, LPI, CCNP, JNCIS e PMP, ele começou a tomar por si mesmo algumas ações simples, mas importantes.

A primeira coisa que o Paulo fez, enquanto ainda apagava incêndios, foi um inventário dos equipamentos e a documentação da topologia de toda a rede. Isso o ajudaria a entender os possíveis elementos envolvidos, no caso de novos problemas.

Ele instalou também um sistema para fazer backup automático diário de todas as configurações importantes dos servidores e roteadores, manter seu histórico e mesmo avisá-lo automaticamente no caso de mudanças feitas sem seu conhecimento prévio.

Ele considerou que isso seria importante para recuperar rapidamente uma configuração anterior, caso uma modificação causasse um problema inesperado.

Criou ainda um processo formal de aprovação para qualquer modificação, segundo o qual todas as áreas possivelmente afetadas deveriam ser consultadas.

Paulo também instalou NTP em todos os roteadores e servidores e padronizou o horário utilizado nos relógios para UTC, a fim de manter a coerência dos logs. Isso o ajudaria a comparar os registros de diferentes servidores, cruzando as informações e entendendo as relações de causa e efeito no caso de problemas.

Ele também configurou um servidor novo, com a única finalidade de centralizar os logs de todos os outros servidores e roteadores.

Os equipamentos armazenariam os registros localmente, mas também enviariam uma cópia para esse servidor central. No caso de uma falha grave ou mesmo invasão em um equipamento, os registros originais estariam preservados e ajudariam a achar o problema.

No futuro, depois de ter registros suficientes do comportamento normal da rede, Paulo poderia também criar alguns scripts para analisar anormalidades nos novos registros e avisá-lo imediatamente.

Outra ação importante foi instalar um novo servidor e sistema para coletar métricas importantes de todos os equipamentos, como banda utilizada, processamento, memória, disco, número de usuários logados, número de processos rodando, etc.

Esse sistema armazena o histórico dessas métricas em formato de gráficos. Com essas informações complementando os logs, Paulo poderia entender o comportamento normal da rede, ter uma base line, incluindo as variações diárias e sazonais.

Assim, no caso de um problema, seria fácil saber o que realmente estava diferente do normal.

Além disso o sistema poderia ajudá-lo a entender variações de médio e longo prazo, por exemplo: um aumento gradual na utilização da banda Internet contratada e a necessidade de renegociar um contrato, ou fazer a aquisição de um roteador ou servidor mais potente.

Paulo instalou um sistema de alertas, que verificava a cada minuto, automaticamente, alguns parâmetros importantes de funcionamento dos principais serviços.

A página web estava respondendo? A utilização da CPU dos equipamentos estava em um nível normal? Havia mais processos rodando do que deveria em algum servidor? O espaço em disco estaria acabando?

Esse sistema era capaz de dar alertas visuais e sonoros aos técnicos de plantão na empresa, e enviar alertas via SMS e para sua conta de Instant Messenger.

Assim, a resposta a qualquer problema passou a ser muito rápida.

Por fim, ele instalou também um sistema de gerenciamento de ocorrências, para registrar todos os problemas e soluções. Isso permitiria um melhor controle sobre a atividade da equipe. Permitiria a criação de uma base de conhecimento.

E mesmo a identificação de problemas recorrentes, que provavelmente tinham uma causa estrutural e exigiriam mudanças na topologia da rede, em equipamentos ou programas.

Paulo fez tudo isso usando software livre e pequenos scripts criados na própria XPTO, por causa dos custos e porque já tinha experiência prévia no assunto, embora também houvesse ótimas opções proprietárias disponíveis comercialmente.

Depois de algumas semanas ele já foi capaz de usar as informações documentadas e histórico acumulado para começar a fazer mudanças na topologia e configuração dos equipamentos, otimizando o funcionamento da rede.

Em pouco tempo, a quantidade de incêndios a apagar diminuiu muito e cada vez mais seu tempo passou a ser dedicado a melhorar os serviços que apoiavam os negócios da XPTO.

Ele até conseguiu um aumento, suficiente para comprar um belo cavalo alazão, imponente, com sua cor castanho avermelhada, crina e cauda douradas.

Paulo e a XPTO viveram, então, felizes para sempre… : -)

E você, gerente de redes, já conseguiu sair da fase das bruxas em seu próprio conto de fadas?

Autor: Antonio M. Moreiras
Fonte: dicas-l.com.br

Read More