Como funciona a Virtualização de Servidores?

Virtualização de Servidores, como já explicamos nesse outro artigo, é uma forma de dividir os recursos de um servidor físico em vários servidores virtuais, também chamados de máquinas virtuais, de modo que possa executar diversos sistemas operacionais no mesmo hardware físico, isolados entre si.

Funciona da seguinte forma:

1. Aquisição do servidor

Um servidor físico vem com recursos físicos instalados de fábrica, entre eles: CPU, memória, discos, conexões de rede e conexões a SAN:

Servidor

Um servidor moderno tem muito mais recursos do que os softwares são projetados para usar e é comum recursos como CPU e memória ficarem ociosos em alguns servidores, enquanto outros servidores tem gargalos.

Aí que entra a virtualização, no lugar de vários servidores de pequeno porte para diversas aplicações, é melhor investir em um servidor de maior porte e compartilhar os recursos entre os servidores virtuais sob demanda.

2. Instalação do Hypervisor

No servidor físico é instalado um sistema operacional básico, que possui a capacidade de dividir o hardware em pequenas partes. Esse sistema operacional é chamado de hypervisor.

Servidor com Hypervisor Instalado

Quanto menor for o espaço em disco e memória usada por esse hypervisor, mais recursos sobram para as máquinas virtuais, menor é a chance de ter problemas de código no hypervisor e menor são as paradas para manutenção do mesmo.

3. Criar as Máquinas Virtuais

O hypervisor simula dentro de cada “fatia” do hardware um novo hardware, que são chamadas de máquinas virtuais. Os discos ficam armazenados em arquivos dentro do sistema operacional do hypervisor, enquanto que a CPU e memória são alocados sob demanda.

Servidor com Hypervisor instalado e Máquinas Virtuais criadas

Cada máquina virtual pode ter capacidades diferentes de acordo com a necessidade, enquanto uma pode ter mais memória, a outra mais processador e a outra mais espaço em disco, cada uma dividindo uma fração do servidor original.

Na configuração de rede dos hypervisors mais avançados é possível dividir o tráfego e priorizar de acordo com a máquina virtual.

4. Instalação do Sistema Operacional dentro das Máquinas Virtuais

Dentro de cada máquina virtual pode ser instalado um sistema operacional diferente, de acordo com a necessidade. Cada um estará isolado dos demais, enxergará apenas os recursos que lhe foram dedicados e se comportará como se estivesse instalado em uma máquina física comum:

Servidor com Hypervisor e Máquinas Virtuais Instaladas

O hypervisor fica responsável por dividir os recursos entre as máquinas virtuais. Alguns recursos podem ser alocados em maior quantidade do que existe de verdade (over provisioning).

Por exemplo, um servidor com 10Gb de memória pode ter 7 máquinas virtuais com 2Gb de memória cada, o que totalizaria 14Gb, desde que essas não usem todo o recurso ao mesmo tempo; o hypervisor garante que nas situações de disputa, algumas máquinas virtuais tenham preferência de execução (maior prioridade).

5. Conectar a uma SAN (Storage Area Network)

Em um ambiente empresarial com Alta Disponibilidade, as máquinas virtuais ficam armazenadas em uma SAN, que nada mais é do que um local de armazenamento (Storage) compartilhado entre os servidores. A SAN pode ser virtual, nesse caso é chamada de VSAN.

Uma SAN pode ser implementada também com um Storage dedicado, nesse caso, o equipamento possui toda a redundância necessária para garantir a alta disponibilidade do ambiente.

O fato de agregar os discos em um ponto único permite algumas facilidades de gerenciamento, além de poder distribuir a performance mais uniformemente e definir prioridades entre as máquinas virtuais.

Virtualização com SAN em modo de Alta Disponibilidade

 

6. Usando a SAN para manutenção programada de servidores

A SAN armazena os arquivos das máquinas virtuais, sendo assim, as máquinas virtuais podem ser desligadas de um servidor e ligadas em outro servidor sem necessidade de reinstalar o sistema operacional e aplicativos, ou de copiar arquivos entre os servidores físicos.

Também, dependendo da configuração e licenciamento, é possível migrar a máquina virtual entre um servidor e outro sem desligar, esse recurso é chamado de vMotion, Live Migration ou XenMotion de acordo com o fabricante do hypervisor e permite a manutenção de um servidor físico sem downtime (parada) do ambiente.

Manutenção programada com Virtualização

 

7. Crescendo o ambiente

Quando o ambiente cresce, basta adicionar mais servidores ou espaço de Storage e todo o ambiente se beneficia. Pode-se crescer o ambiente em quantidade de máquinas virtuais, capacidade das máquinas virtuais, servidores físicos ou espaço no Storage. Cada servidor físico novo adiciona mais poder de processamento, memória e conectividade com a rede, enquanto que mais discos no Storage adicionam espaço em disco e mais performance de IOPS.

Crescendo o ambiente com Virtualização

 

8. Resiliência do ambiente contra quebras

No caso da quebra física de um dos servidores, as máquinas virtuais podem ser acessadas e ligadas nos demais servidores; se estiver corretamente configurado, esse processo acontece automaticamente, sem necessidade do operador intervir, esse recurso é chamado de HA (High Avaliability) ou Alta Disponibilidade e permite que as máquinas virtuais voltem ao trabalho em poucos minutos.

Alta Disponibilidade (HA) automática com Virtualização

 

Conclusão

Esses são apenas alguns dos benefícios da virtualização de servidores. Para ver mais, leia a matéria sobre os 12 Benefícios da Virtualização no Datacenter.

Read More

Blue Solutions participa do 15º Encontro do Business Club Healthcare

No dia 24 de Julho, a ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MEDICINA DE GRUPO – ABRAMGE foi anfitriã do 15º encontro do Business Club Healthcare, realizado em Bela Vista (SP).

Com objetivo de apoiar a iniciativa do Club e promover discussões e trabalhos que fortaleçam as relações entre Operadoras e Hospitais, o evento reuniu 66 participantes, entre eles, algumas empresas que puderam conhecer um pouco melhor a dinâmica deste setor.

A Blue Solutions esteve presente através do seu Diretor Executivo, Edgar Monteiro, que palestrou sobre: Alinhamento Estratégico da TI com a Alta Direção dos Hospitais e princípios de Recuperação de Desastre.

A palestra que teve um conteúdo empresarial focada em negócios, abriu um grande leque de oportunidade para discussões que agregaram muito aos diretores e presidentes dos hospitais ali presentes.

Edgar Monteiro, Diretor Executivo da Blue Solutions em sua palestra

O evento reuniu 66 participantes da área
Mais informações no site do evento

Read More

Alta Disponibilidade em Ambientes de Tecnologia da Informação – última parte

Última parte da apresentação sobre Alta Disponibilidade em Tecnologia da Informação, focado em ambientes de servidores e redes. Nesse vídeo são apresentadas algumas ideias de níveis de investimento para diversos tamanhos de empresas.

Read More

Alta Disponibilidade em Ambientes de Tecnologia da Informação – parte 7

Sétima parte da apresentação sobre Alta Disponibilidade em Tecnologia da Informação, focado em ambientes de servidores e redes.

São apresentados nesse vídeo conceitos para implementar um Site Backup ou Site de Recuperação de Desastres (Disaster Recovery).

Read More

Alta Disponibilidade em Ambientes de Tecnologia da Informação – parte 6

Parte 6 da apresentação sobre Alta Disponibilidade em Tecnologia da Informação, focado em ambientes de servidores e redes.

Nesse vídeo é apresentado o funcionamento de cluster de servidores, tecnologia do Microsoft Shared Cluster, RedHat Cluster, GFS para filesystem, Oracle RAC, SQL Cluster, entre outros.

Read More

Alta Disponibilidade em Ambientes de Tecnologia da Informação – parte 5

Quinta parte da apresentação sobre Alta Disponibilidade em Tecnologia da Informação, focado em ambientes de servidores e redes.

Nesse vídeo é apresentado o funcionamento de replicação de servidores e servidor standby, quais as tecnologias disponíveis e como funcionam algumas delas.

Read More

Alta Disponibilidade em ambientes de Tecnologia da Informação – Parte 4

Esta é a quarta parte sobre a palestra de Alta Disponibilidade em Ambiente de Tecnologia da Informação.

Nesse vídeo são apresentados conceitos de Contingência e Redundância. O foco são ambientes de servidores e redes e ainda é explicado como evitar o Single Point of Failure (SPOF) em energia elétrica, redes HDs (RAID 1) e outras boas práticas.

Read More

Alta Disponibilidade em Ambientes de TI – parte 3

Está no ar a terceira parte da palestra de Alta Disponibilidade, com o assunto Backup. São tratados temas como rotação GFS, RPO, RTO e SLA, não perca!

Download da Apresentação!

Read More

Alta Disponibilidade em ambientes de Tecnologia da Informação – Parte 2

Assista a continuação da palestra  de disponibilidade em ambiente de TI para aprender boas práticas que trazem os melhores resultados.

Read More

Alta Disponibilidade em ambientes de Tecnologia da Informação – Parte 1


Seus servidores vivem quebrando? Sua rede anda lenta? O link de Internet só cai?

Veja como as empresas tem conquistado alta disponibilidade no ambiente de TI seguindo boas práticas no projeto e implantação de datacenters.

Nessa apresentação você vai aprender quais são as boas práticas que trazem os melhores resultados, como aumentar a eficiência da TI na resolução de problemas, quais tecnologias existem para implantar alta disponibilidade, funcionamento de RAID, redundância contra Single Point of Failure, MTBF, conceitos avançados de funcionamento de Clusters, replicação entre datacenters, Disaster Recovery e como identificar o investimento correto para sua empresa.

Siga o link abaixo para descobrir como sua empresa também pode conquistar a alta disponibilidade que seu negócio precisa:

Read More